31/07/2009

Um conto - 4º capitulo

como se adivinhasse meu pensamento, Nina soltou seus cabelos cobrindo parte de seu rosto. Se bem que não sei não, se ela não fez isso para me provocar, ela sabe como gosto dela de cabelos soltos!
Pensamento besta esse, eu sei... Até parece que ela iria se lembrar disso, e mesmo se lembrasse...
Voltemos aos fatos, Nina realmente estava mudada, mas acho que de uma forma mais positiva do que ela própria suponha. Ela estava mais madura, mais realista, acho que enfim adquiriu um pouco dessa tal racionalidade que ela sempre de certa invejou em mim... Logo de mim que sempre me odiei por não ter a espontaniedade dela para fazer as coisas que gostaria, tudo bem que isso fez com que chegasse aos 25 sem nenhuma grande decepção, mas tb nenhuma grande emoção!
De qualquer forma se em tudo na vida a gente aprende uma lição posso dizer que Nina aprendera a dela com louvor!

Agora ela se dirigia a geladeira e se servia de aguá, eu gostava de ver como ela se sentia a vontade em minha casa, como não tinha cerimonia, depois foi até o telefone e disse q ia ligar para o pai dela, achei melhor deixa-la só nesse momento tão delicado...
Quando retornei minutos mais tarde, vi que ela enxugava algumas lágrimas, mas as engoliu e tentou ser natural, coisa impossível, pelo menos na minha presença. Será que ela não sabia o quanto eu a conhecia, e que mesmo se não tivesse a pego no "flagra" saberia que chorou? Que mesmo se não estivesse com o rosto vermelho, eu saberia pelo tremor de suas pálpebras q havia lacrimejado mais que o normal?
Nina, Nina... Se soubesses o quanto te conheço!


Logo o som estridente da campainha ecoou pela casa toda, Nina simplesmente se levantou e sem dizer nada foi a passos mudos em direção ao portão, suspirou fundo e me olhou como se pedisse boa sorte! , era seu pai. Foi emocionante o reencontro dos 2, faziam uns 11 anos que não se viam! Agora eu sabia que seu choro não era tristeza. No fundo ela sabia que seu pai a perdoaria assim que ela pedisse, mas ela sempre foi orgulhosa, nunca quis dar o braço a torcer. Mas enfim, a vida a fez ver o q realmente é importante na vida, e cá estava a dar o passo mais importante para sua nova vida.

Eu me sentia privilegiado por estar com ela nesse momento, mas ao mesmo tempo sabia que isso talvez nem significasse tanto assim pra ela. Quer dizer, pra ela eu era como um irmão, e foi isso mesmo que ela me disse ao se despedir!

(Nina, Nina... Se vc soubesse como gostaria de cometer incesto com vc!)

7 comentários:

R.Vinicius disse...

Aninha eu gostei da forma como flui o conto; é uma sucessão de fatos que unidos vão formando o eixo principal da história. E você o faz bem. Abraço.

R.Vinicius

Diego Azevedo Sodré disse...

Não sei se a estória terminou aí, mas ao que se vê, td mundo terminou bem, exceto o apaixonado. É, ele deve se declarar pra ela!

bjs =**

Hod disse...

Aloha Aninha!!! tetorno oportunamente para sorver este novo capitulo do Conto que esta interessantíssimo....

Sobre sua pergunta quendo deixou seu comentário no Olhar de Carpe Diem: Tradições xamanicas fazem parte de minha formção étnica e cultural...Pois meus ancestrais dinásticos na linha sucessória são os que habitaram a asia central anterior a civilização Bactriana. tenho atividades qie envolve sons, percursão, sopro, cordas, sinos, voz enfim tudo com fins terapeuticos e meditativos...No casao do Didgeridoo, estou buscando divulgar suas propriedades, curativas e meditativas.....

Obrigado por perguntar, achei bastante pertinente e sábia tu pergunta.....

Aloha...com sons e bençõas!!
Hod.

Marcelo Lyra disse...

Desculpe-me, mas a estória não flui. Compreendo sua necessidade de escrever e ser lida, de compartilhar suas estórias.Okay, ela está compartilhada, mas infelizmente não me senti instigado. Talvez seja o desconhecimento dos outros capítulos.

Enfim!

Bárbara disse...

Sensivelmente misterioso este conto, o que me intriga muito e até de certa forma me dá uma agonia boa. Gostei da clareza de suas palavras. Parabéns !

B. disse...

Nina anda passando por bons bocados,ainda bem que ela tem alguém pra desabafar,ou ao menso estar lá!

Hod disse...

Aloha Aninha!!! Querida amiga!!

Nesse episódio o que já vinha causando uma certa intriga, aguçou ainda mais....parace que ao ler encontro um certo paralelismo que ainda ão defini, vou continuar a sorver seu conto nos outros episódios...pode ser quem sabe... Gostei do reencotro..

Beijokas....

Aloha
!!
Hod.