10/01/2010

... e escrever faz parte
do que sou
do que me é vital
tal qual comer,
respirar,
fazer amor, rir!

E quando a inspiração
se ausenta
me sinto vazia.

E se as palavras
fogem de mim
me sinto perdida.

Pois só vivo
por que escrevo

A caneta
me faz forte
Os cadernos
me livram da morte

Como aliados,
estão sempre comigo!

O poema
é meu amigo
o romance
meu amante...

e eu
uma poetisa errante
que vive de paixões
que se alegra
com ilusões

2 comentários:

Hod disse...

Olá Aninha,

Muitas vezes ficamos extremametne eletreficados e zonzos.

Costumo soltar do peito um grito primal...como aquele quando nasci.

Belo Poema amiga,

Forte Abraço com muitas bençãos!!

Hod.

.Mari. disse...

Tão lindo, palavras tão bem selecionadas e colocadas, versos perfeitos, dignos! ^^

Até postei uma frase sua no meu subnick, citando a autora é claro, rs! Peço desculpas até por isso, mas não me contive, tamanha foi minha identificação com vc e com essa tua obra-prima tão bem expressa em palavras...

:)