07/10/2009

Você não entenderia...

Sou muitas em uma
E não sou ninguém
Sou poema
Sou prosa
E sou romance também

Sou aquela que ama
Que sem luta
se entrega
E que vive a espera
De um GRANDE amor

Sou aquela que chora
e ri sem motivos
Que tem muitos amigos
E não tem
ninguém

Aquela, que mesmo sendo frágil
É uma fortaleza
E que vê beleza
Onde ninguém mais, vê

A boazinha, (quase boba)
A vilã,
A menina má.

A bandida,
A mocinha,
A romantica,
A Aninha!

*Ana Suely Marques*
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

7 comentários:

.Mari. disse...

Puxa!! Desculpe-me pela ausência, voce já deixou tantas reflexões nos meus blogs e é a primeira vez que visito o seu...a falta de tempo faz isso com a gente!¬¬

EnfiM: adorei seu poema e me encontrei em suas definições e contradições...amei o jogo de palvras, e seu blog todo é uma graça!! Parabéns!^^

Bjus mil!!!

Bruno disse...

muito bem escrito. Emoções a flor da pele...

Visite-me também, texto novo:
www.bsproducao.blogspot.com

On The Rocks disse...

que bonitinho! e sozinha?

não acredito...

bj

Rhaissa disse...

Normal, somos tudo e somos nada. Depende da hora e da situação.
Complexos demais pra se definir.

beijoss

Fernanda Carlos disse...

Liindo poema!
escreve muio bem!
beeijo :*

Geraldo Samuel disse...

Muitoo massa o poema =DD...gostei demais, fica na paz...
beijos

Silvio Koerich disse...

Eu te sinto extramamente romantica ultimamente e a procura de uma tampa pra panela.

Não adianta mentir Aninha eu te conheço baby rs