10/02/2010

Voltando ao "assunto"

Desde que você se foi
Não consigo escrever
Como se, não sendo pra você
Não tivesse sentido rimar

E as folhas ficaram em branco
E a caneta ficou esquecida
Ela que foi sempre fiel
amiga, derepente nem é lembrada
Como se eu
não tivesse mais nada
pra dizer
se não for sobre
um certo motoqueiro-palhaço

Você apareceu e nem chegou
Simlpesmente passou...
Mas me fez perceber
O vazio que eu estava

Não, você não foi TUDO
Eu que não tinha NADA

E agora q me dei conta
Sinto falta de você
que nem chegou a ser
que nem chegou a ficar
Mas se fez notar
Me fez VER

E querer esse viver
Esse ser e ter
Querer fazer acontecer...

Ana Suely Marques
*TODOS OS DIREITOS RESERVADOS*

3 comentários:

Hod disse...

Ei Aninha,
Esse seu sentir via Ana Suely
está tão bem alinhado com sua sensibilidade.
Gostei de ler e que bom que mostrou-se.

Forte abraço com muitas bençãos.

Hod.

Poeta de um mundo caduco... disse...

"Não, você não foi TUDO
Eu que não tinha NADA"

Acho que seu poema se resume, brilhantemente, neste recorte!

A carência nos faz distorcer a realidade, os fatos...

Mas nos sentimos assim mesmo... CONFUSAS, PERDIDAS E SEM FORÇAS PARA TOMAR UMA ATITUDE QUALQUER...
Beijinhos. (Ótimos textos. Afinal, não poderia ser diferente!)

Lie disse...

Nossa Aninha nem preciso dizer que você se superou, me identifiquei horrores com esse poema, a parte do: Não, você não foi TUDO
Eu que não tinha NADA
Foi incrivelmente literal pra mim!
bjis e continue escrevendo dessa mneira fantástica!